Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2006





Se eu soubesse
Transmitir para o papel
Todo o meu sentir
E o que me vai no pensamento
Um livro já tinha feito
Juntando os fragmentos.
Seria um livro da vida
De uma vida já vivida
No meu corpo bem sentida
Talvez?...
Prestes a chegar ao fim.
Enquanto não chega a hora
Uns apontamentos vou fazendo.
Ao mesmo tempo esquecendo
O que não quero recordar.
Deixando no papel
Só o que deve ficar.
São fragmentos de uma vida
Que por mim foi passando
E aos poucos vou lembrando
Embora não me agrade
E não queira recordar
O pensamento não me deixa.
E no papel tenho que pegar
Só é pena eu não querer recordar
E assim trocava o pensamento
Pondo outro no seu lugar.
Se não fosse preguiçosa
E soubesse transmitir
Garanto que deixaria
Um pouco do que vai,
Dentro de mim.



najasmin 17/07/93


publicado por najasmin às 00:35
|

Domingo, 15 de Janeiro de 2006

Por motivos de saúde

De vocês me afastei

Quando voltei ao Baú

Tudo húmido encontrei

Por culpa da gata,

Só agora um papelinho

tirei.



A todos quantos tem continuado a visitar o meu baú, o meu obrigado pela vossa presença e pelas palavras que me têm deixado.

Para todos, um beijo.













Vida não vivida






tulipa






Quando se perde um ente querido

Ou o ser amado,

Sente-se um vazio.

Parece que o Mundo ruíu

E juntamente com esse amor que foi levado

A vida para nós

Deixou de ter significado

Só que o mundo

Não acabou

Mal ou bem, ele continuou.

Nós é que parámos

No tempo

Enquanto a vida passou.

Nós mulheres, caímos hoje

Levantamo-nos amanhã.

Os dias vão passando

Sem termos tido

Algo de bom.

Fomos feitas para sofrer

E não para amor receber.

E quando esse amor nos falta

De que serve viver?

Quando o tempo que se vive

É só para sofrer.

É um viver de sofrimento

É uma dor constante,

São lamentos sufocados,

São lágrimas retidas,

São sorrisos forçados,

Para enganar a própria vida,

Que afinal não foi vivida.








"Palavras dedicadas a uma amiga que infelizmente já partiu e que muitas saudades me deixou".


najasmin/21/01/93
publicado por najasmin às 17:50
|

Segunda-feira, 07 de Novembro de 2005
"Ao fim de algum tempo ao baú voltei,
Não queria estar a ler o que já ultrapassei"









Desconheço o mimo
Não sou mimosa
Se o fosse
Seria uma rosa.
Por coincidência
Rosa faz parte de mim,
Herança que meu pai
Me deixou.
Desde o princípio
Até ao fim.
Continuo a ser rosa
Mas sem mimo.
Em compensação
Cheia de espinhos.
Se mimo tive, não me lembro.
Geralmente, tem-se em pequeno
E eu, já o fui há tanto tempo.
No fundo, todos temos falta dele
O mimo, é carinho
Carinho, é carícia.
Carícia é ternura
E ternura é amor
Que a todos agrada
Do pequeno ao maior.





najasmin/2/02/93
publicado por najasmin às 02:56
|

Quinta-feira, 15 de Setembro de 2005
margaridas.jpg




A flor mais bela da vida
Bem rara na humanidade
Pouco amada e apetecida
É a flor da simplicidade.
A alegria repartida
Multiplica-se em beleza
Uma dor bem dividida
É apenas meia tristeza.
Pense bem, você que é bela
Beleza é dom para dois
Que somente se revela
Nos frutos que dá depois.
Porque flor é coisa boa
Talvez no mundo a mais bela
Mas o que faz a pessoa
É o fruto que nasce dela.
Que a tua existência seja
Serena, feliz, bendita
Como um lago em que se reveja
Toda a beleza infinita.
Ser bela trás compromisso
Que uma flor entende e assume
É seu destino por isso
Dar mais fruto que perfume.
Toda a verdade é beleza
Toda a beleza é verdade
E entre as duas a certeza
De amor e felicidade.


najasmin/94
publicado por najasmin às 22:11
|

Sábado, 13 de Agosto de 2005
Lembre-se
Um acidente
Causa sempre confusão.
Ficamos prejudicados
Mesmo que tenhamos razão.
Não se esqueça,
Ao aproximar-se de um cruzamento
De reduzir a velocidade,
Metendo a mudança a tempo,
Cumpre a regra da prioridade.
Olhe com frequência
O espelho do lado e o retrovisor
Por que se eles existem
É para vermos melhor.
Mantenha sempre
Uma distancia razoável
Para poder travar com segurança,
Pois se muito chegado ao da frente for
O que vem atrás de si
Além de colidir
Pode fazê-lo mudar de cor.
Não se esqueça dos espelhos
Se assim não o fizer
Não pode ver
O que ao seu lado
Se passa.
E encostando-se à esquerda,
Corta o caminho
A quem o ultrapassa.
Conduza devagar
E com moderação.
Mais vale chegar tarde e satisfeito
Pois fez uma boa condução.



najasmin/08/2005






publicado por najasmin às 01:53
|






Os meus olhos já secaram
Por muito terem chorado.
Em princípio
Era como pérolas de orvalho.
A pouco e pouco
Foram-se juntando,
E em cascata se formando,
Na minha boca deixando
Um sabor a sal e ao mesmo tempo amargo.
O amargo da dor,
O amargo do desespero
Que durante anos
No meu peito
Se foram acumulando,
Meu coração apertando
Por não poder gritar
Pois podia assustar
Quem tanto amo.
Sofrer do corpo
E ainda do coração
É a dor mais temida
Que a ninguém dá consolação
E chorar também não.
Pode ser um escape
Para não se rebentar
Como se fossemos um balão.
Por muito ter chorado,
A fonte já secou.
Era um choro cristalino
Por isso se evaporou.



najasmiin/01/94<b
publicado por najasmin às 00:05
|

Domingo, 31 de Julho de 2005




Eu sou como um pássaro livre.
Gosto muito de voar
Meu pensamento é rápido,
Ninguém me consegue agarrar
Por mim, já passou a Primavera
Mas, considero as outras uma beleza.
Gosto do dia e da noite,
Nunca sinto tristeza.
É na Primavera
Que acasalam os passarinhos.
Eu estou no Outono,
Estou sempre no meu ninho.
No meu ninho vou ficando,
Sempre com muito jeitinho,
Para poder voar
Nem que seja devagarinho.
Desviando-me do mal
Que possa encontrar no caminho.
Evitando quebrar as asas
Como acontece ao passarinho.
A minha imginação
Gosta muito de voar.
Sou como o passarinho
Que voa sem parar.
Meu pensamento é livre,
Tem asas como eles.
Percorro o mundo inteiro,
Só depois me apercebo
Que nem saí do ninho.
Como é bom
Dar largas à imaginação.
Mesmo no meu ninho e sózinha
Desconheço a solidão.
Eu choro, canto e riu
Tal como uma pessoa normal,
Igualar-me a um passarinho
Não tem nada de mal.
Também estou dependente
De quem me rodeia.
Tal como o passarinho
Que para não chorar,
Chilreia.
Isto é o que penso
A meu respeito.
Pouco mais há que contar,
Peço a Deus que me conserve
As asas da imaginação
Para poder voar.
É tão bom
Sermos livres,
Mais não seja em pensamento,
É que as mágoas são levadas
Para longe com o vento.


najasmin/93




publicado por najasmin às 02:08
|

Quarta-feira, 20 de Julho de 2005




Como é bom amar
E ser amado por alguém
Amor retribuído
Do que se dá também.
Amar, sem medida,
Sem pejo ou vergonha ...
Onde as carícias
Não maculem
Os amantes que se amam...
Amar, e dar tudo de seu
Despidos de qualquer vergonha
Onde as carícias
Parecem fogo
E os beijos uma chama.
Sentir-se rodopiar
Num rodopio sem fim
Ficando por vezes, parados
Como estátuas
Esculpidas em marfim.
É amor, é amor sim
Dado com toda a nobreza
E trocado em uníssono
É amor verdadeiro
E não morre de certeza.
Depois, com mais idade
Não vão faltar as lembranças
Desse amor trocado
Nem que fosse na infância.


najasmin 96/08

publicado por najasmin às 00:55
|

Terça-feira, 21 de Junho de 2005
parabens1.gif




Criança,
Porque cresceste?
Com as tuas travessuras,
Com as tuas diabruras,
Deixaste de brincar
E de mim te afastaste.
Cresceste,
Deixaste-me só,
Embora sinta o teu Amor,
Eu sinto um tal pavor
da criança não escontrar.
Sinto saudades
Da criança que eras.
Das mazelas que fazias,
Pelas tuas tropelias,
E nos meus braços,
O amparo sentias,
Pois com carinho e afago
Tudo logo esquecias.
As brincadeiras pedias,
e eu, como criança também,
Mesmo sendo tua mãe,
A tudo me submetia.
Eram horas desejadas,
Eram tempos felizes.
Já não és criança,
Cresceste.
A criança em mim, ficou
Ficando a saudade
Do tempo que já passou.
Hoje és mulher,
Mãe e avó,
A tua vida fizeste.
Desejo-te tudo de bom
E que tuas filhas
Te dêem todo o Amor
Que mereces,
Pois a mim nunca faltou.




Muitos Beijinhos.


parabens.gif
publicado por najasmin às 00:53
|

Sábado, 11 de Junho de 2005

Imagem retirada da net




Meus amigos,
Ontem estive
Mais para lá
Do que para cá
Mas já passou
E para animar
Sardinhas fui assar
Já não me lembro
Há quanto tempo
Não o fazia.
Vejam lá se há remédio melhor,
Assar... as sardinhas
E comê-las à mão,
Regadas com sangria
E os outros condimentos
Isto é que é alegria!
Enquanto comia
Música ouvia.
Comecei cedo demais
Tenho que alargar o cabedal
Para aguentar até ao final.








Fotografia de Jorge Correia Santos





Para o S. João
Vou até Alcochete
Uns amigos visitar
Vou ver a Procissão
Ao mesmo tempo ver a fogueira
Que por ser tão grande
Não dá para saltar.
Depois para o São Pedro
Continua a reinação,
Os arraiais estão a acabar
E eu não posso faltar.
Depois... ai... ai... ai...
Meu coração.






Najasmin
11/06/2005
publicado por najasmin às 19:39
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
22
23
24
25

26
27
28


Últ. comentários
beijing tour (http://www.beijingtourtravel.com)[ur...
thanks for letttin me know how to do dis i apprec...
NajasminAmei seu blog!Está em favoritos e até ata...
Beleza! Descobri hoje essa maravilha. Beleza mess...
amizade
Amei seus poemas...è vc mesmo quem os faz?...Para...
Olá...eu tava passeando e acabei passando aqui do...
adorei o seu blog e tbm as mensagens!
parabéns por suas tão belas poesias.......
Faz um ano que não há novidades por aqui.está na ...
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro